JUNTANDO LETRAS

Nascemos sozinhos, morremos sozinhos, mas somente juntos podemos construir uma vida .

Áudios

POBRE MENINA DO ROSEIRAL
Data: 14/06/2007
Créditos:
título do texto: POBRE MENINA DO ROSEIRAL
Aautora do texto: MEG KLOPPER (Amália)
Intérprete: MEG KLOPPER
Eeditor de som: WMP / Audacity
Música de fundo Valsa e Pássaros (AD)
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Pobre menina do roseiral


Era uma vez uma menina pobre,
à sombra de um roseiral, que adorava a vida.
Ele vivia prestando atenção às pessoas,
aos seus movimentos, as suas palavras...

Gostava de cantar no banheiro,
se arrumar em frente ao espelho,
pentear suas madeixas com esmero
e colocar um perfume especial.

Ahhhh.... não tinha perfume, coitada!

Ela, então, colhia flores numa roseira,
macerava as rosas até que saisssem um líquido.
Misturava esse líquido à agua, pingava alcool e
colocava dentro do vidro uma rosa inteira.

Alguns dias se passavam e aquela mistura
se transformava numa coisa que ela chamava perfume.

Gostava de perguntar tudo as mulheres que conhecia...
Se tinham vestidos de noiva para que ela pudesse vestir;
Se tinham sapatos usados para que ela calçasse...
Se achava linda, vaidosa, com os vestidos enormes, maiores que ela, é claro.

Mas a menina era humilde, amorosa, gostava das pessoas,
amava seus pais, seus irmãos, seus avós, enfim, queria mostrar a  todos  o seu amor e o seu valor.
Seu valor estava na compreensão que dedicava ao seu igual.
Todos para ela tinham valor, tudo era vida, tudo era legal.

Mas havia algo muito triste por trás disso tudo.
A pobre menina não era feliz...
Chorava dias e dias escondida se olhando no espelho.
Todos pensavam que ela era ditosa, mas não, não era...

Ela cria em fadas e em príncipes
Sonhava acordar um dia de forma diferente
Quem sabe encontrar uma abóbora gigante.
Mas quando acordava, de sua face uma lágrima rolava...
Olhava-se no espelho desencantada, porque...
A menina era feia.


Enviado por MEG KLOPPER em 13/03/2006

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras