JUNTANDO LETRAS

Nascemos sozinhos, morremos sozinhos, mas somente juntos podemos construir uma vida .

Áudios

PAIXÃO
Data: 11/03/2007
Créditos:
Título do texto: PAIXÃO
Autora do texto: MEG KLOPPER (Amália Klopper)
Locutor/intérprete:MEG KLOPPER
Editor de som: WMP/Audacity
Título e autor da música de fundo: River of Dreams - Ernesto Cortazar
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


PAIXÃO

Paixão contrasta com a razão
Nos torna tirânicos, cheios de aflição.
Nossos desejos ficam desencorajarados, temos medos.
Ficamos alarmados, ora encantados, grandes como rochedos...

Somos governados pelas coisas que desejamos
É um prazer é insaciável, um querer impenetrável.
É o conflito dos prazeres... 
Violência contra si e contra os outros.
É o desejo de possuir tudo quanto nos traga prazer
Excessivamente; ardente; violentando nosso ser...

É martírio, é ave de rapina...
Guerreiro de ânimo, de combate.
É escuridão, é lampião, falta de luz.
É o esquecimento da razão e o enaltecimento do coração

Arroubos que doem o peito, enlevo...
Possui tempo certo de vida.
Corro a te esperar na esquina da vida.
E no inicio, na fase inicial do flerte, é movida por substancias:
Dopamina, feniletilamina e ocitocina (UAU!)

E a ansiedade?
Essa é a companheira mais fiel.
Sem juízo, sem critério...
Extremosa porta do céu.

Uma paixão vence outra paixão.
O que não vence é o nosso coração,
Que ansioso, fraco e teimoso,
Espera transformar sonho em realidade;
Cumplicidade em lealdade;
Volúpias e alaridos,
Para sentir o gosto do desconhecido

Embalde, incendeia...faz doer
Passeia no corpo, nas entranhas, no ser.
É arrebatadora, sedenta, insana.
Desmedida, imprudente, imodesta!
É uma força pensante, gesto torturante,
Que embebeda e maltrata tanto a gente

Deita em mim, pluma, luma, claustro.
Amarre-me ao seu domínio!
Faz tudo que quiseres
Penei por ti, chorei...Porque você não é amor.

É sentimento livre, estonteante, passa...
Como chuva de verão é rápida, mas também devassa.
Quando se revela, fica um tempo, depois vai embora.
As vezes volta e se revolta, porque de novo a chama se acende.

É uma emoção contida dentro da gente,
Que se desperta e aperta
Criando sonhos, fantasias, buscas, despertar...
Provocas e desafias!

E a paixão é: O desejo, o gozo, o belo!
É um prazer infinito como a felicidade,
Ela nunca é eternamente plena.
É simplesmente verdadeira.

Trata-se de emoção mais sentida, 
Pura, soberana, desumana...
Costumeira e, acima de tudo desordeira.
Insaciável é tola e faz besteira
És grande, és guerreira!

Deixe-me apaixonar, por favor, deixe-me!
A paixão é a maior arte do ser. Ela nos ajuda a produzir o que há de melhor, já que nos remete ao encontro das respostas que respondem aos anseios de nossa alma. Essa alma que vive ao sabor do desconhecido, do difícil e da quase impossível arte de ser feliz. Mas não quero o obvio nem mesmices...
Deixe-me, por favor, apaixonar-me!

Passione, sofrimento, colérico; dominador.

Enviado por MEG KLOPPER em 28/08/2006

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Enviando um e. mail solicitando autorização.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.



Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras